FOLHA DO CENTRO - ESTÁ COMPLETANDO 24 ANOS EM AGOSTO Edição N° 276 - Setembro de 2019.
COLUNAS
NOTICIAS
FOTOS
SERVIÇOS
PREVISÃO DO TEMPO
  Fala Dr  
Cuidados com a saúde ao usar Salto Alto

Por: Ana Paula Simões*
Diva que é diva adora um salto alto. No entanto, o que pouca gente sabe é a consequência que o salto alto pode trazer, uma vez que quase todas as pesquisas da área já reprovam o uso do salto para mulheres comuns, que fazem ou não atividade física.
Uma das últimas pesquisas que saíram a respeito do tema, em 2010, comprovou cientificamente o que toda a mulherada já estava “careca de saber”: salto alto causa varizes, flebites (inflamação das veias) e até tromboses. No caso das mulheres corredoras, a realidade é ainda pior. O uso do salto alto pode colaborar com lesões ósseas, de joelho e coluna.
O uso do salto alto altera inicialmente nosso eixo de equilíbrio e devido ao posicionamento do pé para frente distribuindo a carga na região anterior, altera também nossa distribuição de carga. Como o pé fica inclinado, a força recai sobre a região do antepé, causando dor, calos por atrito e até úlceras. Por isso, antes de colocar o salto, lembre sempre das bolhas nos dedinhos, especialmente depois do longão.
O bico fino é o responsável por outro problema. Como os dedos são comprimidos e ficam sobrepostos um sobre os outros, cria-se um quadro de halux valgo, popularmente conhecido como joanete. Ele pode entrar em desgaste formando saliências ósseas (artrose) quadro que também gera crepitação [estalos] e dor.
O uso do salto alto, além descansar dor, também pode causar úlceras e lesões devido a sobrecarga. Além disso, o aumento da pressão na cabeça do metatarso poderá gerar lesões ósseas como necroses e artroses; e das partes moles (tendinopatias e lesões ligamentares). Além do conhecido Neuroma de Morton.
Acredita-se erroneamente que o uso do salto alto fortalece a panturrilha, dando mais firmeza e beleza à batata da perna. Isso na verdade é uma contratura a custas de encurtamento e tensão constante e não fortalecimento que deve ser feito de forma orientada e na musculação ou corrida.
*Ana Paula Simões é Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo.

 

 
CAPA
EDIÇÕES ANTERIORES
www.jornalfolhadocentro.com.br
Admin
© 2007- FOLHA DO CENTRO - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por DMS
 
 
..